quarta-feira, 3 de junho de 2020

Meninos de todas as cores - Luísa Ducla Soares

Era uma vez um menino branco chamado Miguel, que vivia numa terra de meninos brancos e dizia:
É bom ser branco
porque é branco o açúcar, tão doce,
porque é branco o leite, tão saboroso,
porque é branca a neve, tão linda.
Mas certo dia o menino partiu numa grande viagem e chegou a uma terra onde todos os meninos eram amarelos. Arranjou uma amiga chamada Flor de Lótus, que, como todos os meninos amarelos, dizia:
É bom ser amarelo
porque é amarelo o Sol
e amarelo o girassol
mais a areia da praia.
O menino branco meteu-se num barco para continuar a sua viagem e parou numa terra onde todos os meninos são pretos. Fez-se amigo de um pequeno caçador chamado Lumumba que, como os outros meninos pretos, dizia:
É bom ser preto
como a noite
preto como as azeitonas
preto como as estradas que nos levam para
toda a parte.
O menino branco entrou depois num avião, que só parou numa terra onde todos os meninos são vermelhos.
Escolheu para brincar aos índios um menino chamado Pena de Águia. E o menino vermelho dizia:
É bom ser vermelho
da cor das fogueiras
da cor das cerejas
e da cor do sangue bem encarnado.
O menino branco foi correndo mundo até uma terra onde todos os meninos são castanhos. Aí fazia corridas de camelo com um menino chamado Ali-Babá, que dizia:
É bom ser castanho
como a terra do chão
os troncos das árvores
é tão bom ser castanho como um chocolate.
Quando o menino voltou à sua terra de meninos brancos, dizia:
É bom ser branco como o açúcar
amarelo como o Sol
preto como as estradas
vermelho como as fogueiras
castanho da cor do chocolate.
Enquanto, na escola, os meninos brancos pintavam em folhas brancas desenhos de meninos brancos, ele fazia grandes rodas com meninos sorridentes de todas as cores.

Luísa Ducla Soares
Conceição Dinis; Fátima Lima (org.)
Aventura das Letras
Porto, Porto Editora, 2003
https://contadoresdestorias.wordpress.com/2007/07/04/meninos-de-todas-as-cores-luisa-ducla-soares/

terça-feira, 2 de junho de 2020

História do dia: O freguês caloteiro

Mais um fantástico trabalho dos nossos alunos. O freguês caloteiro de Luísa Dacosta pela Yara e a sua família (3MAR).

segunda-feira, 1 de junho de 2020

E porque é Dia da Criança...

Autora do mês: Luísa Ducla Soares


Considerada uma das mais relevantes escritoras portuguesas na área da Literatura Infantil, Maria Luísa Bliebernicht Ducla Soares de Sottomayor Cardia, celebra este ano 50 anos de escrita, ao longo dos quais viu publicadas mais de 100 obras.

Dedicou-se desde cedo à literatura para a infância e juventude[...]Luísa Ducla Soares considera que o contacto directo com o público infantil é da maior importância para a promoção da leitura: «A escrita para crianças tem de ser, antes de mais, comunicação, e a recepção deles é essencial para que eu perceba se uma mensagem passa ou não.»

Na sua escrita alia o humor à fantasia e ao non-sense, sendo esta uma das marcas distintivas da obra da autora: a irreverência da narrativa, chamando a atenção do leitor para situações absurdas e comportamentos determinados pelo preconceito, desmontados através de jogos de palavras, contribui para a tomada de consciência, por parte dos jovens, de uma multiplicidade de possíveis interpretações do mundo em que vivemos.

https://www.livroshorizonte.pt/luisa-ducla-soares-celebra-50-anos-de-historias/

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Histórias do Dia: "A carochinha"

Em tempos de confinamentos, surgem trabalhos fantásticos dos nossos alunos e família.
Partilhamos a versão de Luísa Dacosta de " A carochinha", um  trabalho do aluno Diego Caldas (3MAR) e família.






quinta-feira, 28 de maio de 2020

Diverte-te com os quizzes do Plano Nacional de Leitura!

Jogos, de várias tipologias ,que  abordam de uma forma lúdica questões lexicais, semânticas, sintáticas, ortográficas e até de pontuação, constituindo passatempos que testam o nosso nível de domínio da língua.
Prime a imagem e joga!